Em defesa dos trabalhadores auxiliares do transporte aéreo UGT participa de manifestação em GRU

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) participou, na manhã desta quinta-feira (08/12), de manifestação no Aeroporto Internacional de Guarulhos. O ato, convocado pelo SINTEATA é uma ação em apoio ao Sindicato Internacional de Serviços dos Estados Unidos da América -SEIU, que anualmente faz campanha nos aeroportos do mundo todo.

A ação contou com a participação de diversos sindicatos, federações e confederações que trabalhadores que, durante a manifestação carregavam faixas e cartazes pedindo solidariedade para com os trabalhadores e trabalhadoras auxiliares de transporte aéreo.

José Moacyr Malvino Pereira Presidente da CONASCON (Confederação Nacional dos Trabalhadores em empresas de Asseio e Conservação) esteve presente, assim como representantes de entidades como Sindicato dos Comerciários de São Paulo, Siemaco Guarulhos, Siemaco São Paulo, Siemaco Piracicaba e Região, FEMACO e Sindmotorlix.

Durante a manifestação foi feita uma panfletagem, expondo aos usuários a real situação dos trabalhadores e trabalhadoras auxiliares nos aeroportos em todo o mundo, além disso foi apresentada a campanha “Sem Direito Não É Legal” para funcionários (as) de aeroportos, seguindo a linha do trabalho que já é realizado junto as pessoas que atuam em empresas de fast food.

“Sem Direito Não É Legal”

A Campanha “Sem Direito Não É Legal” é uma iniciativa internacional com foco no trabalho decente, que chegou no Brasil em 2015, com o objetivo de pressionar o McDonald’s a respeitar a legislação brasileira e o fim da impunidade, pois a empresa acumulava inúmeras denuncias e nenhuma providência era tomada.

Entre as denúncias com a empresa eram recorrentes as que reclamavam de pagamentos inferiores ao mínimo estabelecido por lei, acúmulo de funções sem a devida remuneração, jornada móvel variável, não reconhecimento à insalubridade, horas extras não remuneradas, supressão de intervalos para descanso e refeições, acusação de fraudes nos holerites e no registro de horas trabalhadas, utilização de mão de obra de menores de idade em atividades proibidas à faixa etária.

Com o passar do tempo a Campanha, passou a incentivar também denúncias de assédios moral, sexual e racismo dentro do local de trabalho, deixando de atuar apenas em uma rede de restaurantes para defender trabalhadores e trabalhadoras que atuam em empresas de fast food em geral, como ocorreu recentemente nas ações globais em poio aos trabalhadores da rede Starbucks.

“Sem Direito Não É Legal” é uma campanha que conta com apoio do SEIU (Sindicato Internacional do Setor de Serviços), da IUF (Federação Global de Trabalhadores de Hospitalidade) e sindicalistas de 32 países.

Para saber mais sobre esse trabalho siga nas redes sociais @semdireitosnao, twitter.com/SemDireitosNao

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.